O Mundo e o Cristão – Parte Final 2 (7/7)

OMundoEOCristao

“Quando Deus criou as artes, deu a elas um lugar no mundo, ao qual chamou de bom. A arte existe porque Deus quis que existisse. Ela tem função e significado próprios” – Hans Rookmaaker

Ao pesquisarmos a história da igreja primitiva, percebemos de modo abundante a utilização de elementos artísticos para expressar sua fé. Sejam em pinturas na parede de cavernas, em letras ou animais desenhados ou lapidados em rocha, ou ainda em vitrais que expressavam a história da redenção, a fé dos cristãos sempre encontrou seu lugar nas artes.

Isso, sem mencionar uma infinidade de hinos, livros e poesias que serviam como forma de expressarem sua fé.

Desde o início, os cristão usam imagens, símbolos, pinturas, músicas, enfim, arte para expressar sua fé. Imagens como o peixe, o cordeiro, o leão e a âncora, por exemplo, eram extraídas dos textos inspirados da Bíblia e usadas no dia a dia dos cristãos.

Durante a reforma protestante, os reformadores continuaram dando às artes um lugar de destaque. Veja Calvino: “Que mui excelentes dons do Espírito Divino são estes, que, para o bem comum do gênero humano, dispensa a quem quer […]. Se o Senhor nos quis deste modo ajudados pela obra e ministério dos ímpios na física, na dialética, na matemática e nas demais áreas do saber, façamos uso destas para que não soframos o justo castigo de nossa displicência, se negligenciarmos as dádivas de Deus nela graciosamente oferecidas”.

Ainda comentando o livro de Êxodo 31:1-5, João Calvino afirma: “Todas as artes emanam dEle, e, portanto, devem ser reconhecidas como invenções divinas […] portanto, devemos concluir que qualquer habilidade possuída por qualquer pessoa emana de uma única fonte, e é conferida por Deus”.

Perceba, então, que na tradição cristã as artes sempre ocuparam um lugar legítimo e específico.

Mas, e na adoração comunitária? Qual o lugar das artes? Devemos usá-las? De qual forma?

Lembro-me da seguinte afirmação de C. S. Lewis: “Não gostei muito dos hinos deles, que considerei poema de quinta categoria em música de sexta. Mas com o tempo, vi seu grande mérito. Eu fui confrontado com pessoas de visões e educações diferentes, e gradualmente meu conceito começou a se desfazer. Eu percebi que os hinos (que eram apenas música de sexta categoria) estavam, no entanto, sendo cantados com devoção e benevolência por um santo idoso calçado em botas simples no banco oposto, então você compreende que não é digno de limpar essas botas. Isso faz você se libertar dessa presunção.”

Aqui, Lewis compreende algo especial sobre a adoração comunitária: ela é simples; é pautada na simplicidade. Tal simplicidade tem o objetivo de ser inclusiva. Ela possibilita a todos participarem, todos cantarem, todos lerem, todos cultuarem como se fossem um (e o são!).

Efésios 5:19 e Colossences 3:16 nos recomenda adorarmos a Deus com simplicidade e devoção. São mencionados hinos, salmos e cânticos. Todavia, não são estas expressões artísticas que nos unem, mas o que é expressado por meio deles: a majestade de Deus, a glória de Cristo, a cruz, o amor de Deus. Independente do que cantamos, de como cantamos, nossas canções devem refletir isso.

E quanto aos estilos? À forma? Creio que aqui, mais uma vez, Calvino possa nos ajudar: “Mas, porque nas cerimônias não quis ele prescrever minuciosamente o que devamos seguir (porque isto previne depender da condição dos tempos, nem julgaria convir a todos os séculos uma forma única). Enfim, porque Deus nada ensinou expresso nesta área, porquanto essas coisas não são necessárias à salvação e devem acomodar-se variadamente para a edificação da Igreja, segundo os costumes de cada povo e do tempo. De fato reconheço que se deve recorrer à inovação não inconsiderada, nem seguidamente, nem por causas triviais. O que, porém, prejudica ou edifica, melhor o julgará a caridade, a qual se permitirmos seja a moderatriz, tudo estará a salvo.”

Kevin DeYoung, um jovem pastor reformado norte-americano, afirma que“nosso primeiro objetivo não deve ser conquistar a cultura ou apelar para o não regenerado. Adoração é para o Único Digno”.

Posto isto, afirmo que nossas músicas devem refletir, de certo modo, a unidade em meio a nossa diversidade. Devemos fazer o que fizermos com excelência, expressando todo o Conselho de Deus em nossas canções ou poemas.

Portanto, nunca perca seu foco em um culto comunitário. Você vai ali para adorar a Deus, e não para reparar nas pessoas ou suas expressões.

Concluindo, creio que, no Brasil, a grande maioria das pessoas vive debaixo de uma opressão espiritual. Tal opressão as impede de perceber beleza nas artes. Barulhos são chamados de música e rabiscos são chamados de pintura. Contudo, são, do meu ponto de vista, uma forma espiritual de manter pessoas distantes do que a arte pode mesmo comunicar em termos de beleza e ensino.

Sim, eu creio que a arte pode nos ensinar. Mais que isso. Creio que a arte pode me levar a adorar a Deus. Quando ouço uma jovem tocando de modo excepcional um violão, ou um adolescente pintando maravilhosamente um quadro, ou um senhor escrevendo uma linda poesia sobre o campo, tudo isso me leva a louvar a Deus, pois eu sei que a fonte de toda a beleza não poderia vir de outro lugar que não dEle.

Sim, a arte pintada, cantada, tocada, escrita, filmada, declamada me leva a adorar a Deus. A perversão da arte está no adorar da criatura, do artista, ao invés de adorarmos aquele que lhe deu o dom, o Criador.

Que, em nossa relação com o mundo, também saibamos, com equilíbrio e bom senso, nos relacionar com as músicas, poesias, literatura, teatro, cinema, exposição de quadros, enfim, com toda sorte de expressão artística de modo a redimi-la.

Seja excelente em tudo o que fizer e não deixe de louvar a Deus quando vir a excelência da glória e da graça de Deus na vida de um pagão, quando este expressar, de forma brilhante, o seu dom. Louve a Deus pela beleza da arte e não deixe de fazer o que faz da melhor forma possível. Dê glória a Deus e faça tudo para a glória de Deus

Por: Wilson Porte. Original: O Mundo e o Cristão – Parte Final. Website: www.ministeriofiel.com.br

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

.

Você pode gostar...