Os “Desigrejados”

Os-Desigrejados

O movimento dos desigrejados, ou dos desviados, está crescendo cada vez mais no Brasil.

Será que podemos falar de Cristo como cabeça se não existir um corpo? Podemos falar de Cristo como um alicerce se não houver nada construído em cima dele? Você consideraria alguém como seu amigo se ele dissesse que gosta muito de você, mas não suporta a sua esposa?

Essas perguntas trazidas por Kevin DeYoung servem como base para a reflexão feita por Heber Campos Jr. na Conferência Fiel Jovens 2015, nos ajudando a entender melhor os problemas e perigos de ser um “Desigrejado”. Confira:

Por: Heber Campos Jr.; Copyright © 2015 Ministério Fiel; Original: Os “Desviados”.

Você pode gostar...

  • Julio Ermison

    Olá!
    Eu tenho um colega “desigrejado” que está sempre no meu ouvido me falando sobre dízimo!
    Ele vive me falando que assim como ele está em pecado, eu também estou, por saber que na igreja fundamentalista onde eu congrego, – e ainda estou sendo discipulado, os membros são dizimistas.
    Concordo com o que foi dito no vídeo sobre os desigrejados. Porem pergunto, se pregam salvação pela graça, porque recolhem dízimo? Omitir a desobrigação do dízimo não é pecado?

    Eu gostaria de ter respaldo bíblico para as indagações dele, e também para essas minhas dúvidas e questionamentos que acabam surgindo. Deus me libertou da vida de mentira e engano que eu vivia e creio que não foi para eu sentar e ouvir o que os pastores tem a dize,r mas sim o que Deus nos revelou no evangelho da salvação. A verdade na sua totalidade.

    Agradeço o espaço, aguardo resposta!

    Deus os abençoe.

    • Guilherme Reiss

      Olá Julio, deixe-me esclarecer a minha visão, como fundador e administrador do blog.
      Nós não damos dízimo para sermos salvos. A salvação é sim pela graça, mas os salvos possuem algumas ordenanças bíblicas que devem seguir.
      A questão da obrigatoriedade do dízimo é polemica e controversa. Tenho amigos, companheiros de ministério, que defendem a não obrigatoriedade dele, e eu entendo muito bem essa visão. Eu, particularmente, creio ser o dízimo algo obrigatório a um cristão, não para “comprar” salvação, mas como um agradecimento a Deus pelo dinheiro que Ele nos dá e como forma de apoiar, sustentar e manter Seus obreiros, igrejas e ministérios.

      Na bíblia, em minha visão e opinião, podemos ver o dízimo presente desde o Antigo Testamento até o Novo Testamento. Veja:

      Gênesis 14.20 – “e bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus adversários nas tuas mãos. E de tudo lhe deu Abrão o dízimo.”

      Malaquias 3.10- “Trazei todos os dízimos à casa do Tesouro, para que haja mantimento na minha casa; e provai-me nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós bênção sem medida.”

      Mateus 23.23 – “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas!”

      Hebreus 7.1-8 – (Não vou postar aqui por ser um pouquinho grande, mas veja lá)

      Assim, eu particularmente entendo o dízimo como algo que todo o cristão deve praticar em agradecimento a Deus pelos recursos recebidos e em reconhecimento pelo trabalho prestado por aqueles que se dedicam ao ministério.

      Meus amigos anteriormente citados creem que a obrigatoriedade do dízimo como dízimo era no A.T. e que agora, na nova aliança, vivemos o tempo das ofertas, onde mantém-se os princípios mas sem um valor ou sua obrigatoriedade estipulados, mas ainda defendendo que os 10% são uma boa forma de se manter e se organizar para realizar suas ofertas.

      Creio que consegui responder sua questão. Caso não, ficarei feliz em tentar ajudá-lo novamente =)

      Que Deus o abençoe,
      Guilherme M. Reiss